quinta-feira, 29 de setembro de 2011

aMar o Mar

Como deve ser reunir todo o azul do mar em um único ser?
O frescor, a liberdade, a leveza
Ondas energizantes, que revigoram e balançam
O corpo trêmulo,
Palavras lavrando, umidificando a terra seca, desejosa de ser
Alimentada.
O mar se achega e de mansinho se apossa desse
Pedaço de deserto
Sendo capaz de fazer brotar da mais louca imaginação
A mais voraz admiração.

Valéria Lourenço 29/09/2011

4 comentários:

Mariana Figueiredo disse...

Lindo, Val! Como sempre. rs

Fernando Vieira Peixoto Filho disse...

Poema autêntico, simples, bonito.

Abçs!

Valéria Lourenço disse...

Mari, muito obrigada. Já falei que receber elogios seus é bom demais.

Professor Fernando, idem. Suas palavras são um incentivo.

Abçs.

Carolina da Hora disse...

Que beleza, Val! Admirável!